As cartas de Elise


    

     (Foto colhida na Web)

      Fosse a tua mão

      a acariciar o poema

      com que te celebro,

      eu versejaria em todos

      os (dias) pares

      e em noites e bares e lares e altares

      rimando métrica e emoção.

 

      Mas não...

      Tu tinhas que se deixar

      sem tato, preso dentro de ti;

      e eu tinha que fragmentar meu verso

      à espera da emoção que não vivi...

 

      Triste fato – se tudo é inerte aqui.

      Quão desnecessária é a poesia em mim

      : tão fugaz e alada

      que nem te tira dessa tua letargia.

      Quão inúteis são as tuas mãos assim

      : tão a(lge)madas...

      e nem podem se render à minha poesia.

 



 Escrito por Elise às 15h42
[   ] [ envie esta mensagem ]




    

     (Foto colhida na Web)

      a minha carne, viva, no teu falo. pressão e exatidão. e um ritmo que cala e consente tudo. tu, quase mudo; quase calada, eu. e o nosso amor se faz entre silêncios e certezas. um olhar, um toque, e nada mais existe...  e meu corpo persiste no teu, e teu corpo se embala no meu. cadência. química, cheiro e pele. tua grandeza invadindo minha pequenez e rasgando todo e qualquer pudor, sem dor. indecente desejo, este que nos habita e nos palpita. a marca do teu amor expressa entre as minhas pernas; meu quadril levitando ao teu encontro. desejo excelso e poderoso. sublime. a fronteira do conhecido sendo transposta pelos teus dedos nos meus entres; os limites do teu corpo sólido sendo delineados pelos meus lábios, aqueles... que te tragam e consomem e sugam e engolem toda a tua vontade de nós. contrações minhas, explosões tuas. e um salpicar de estrelas nos olhos, fogos dos teus artifícios em mim. eu, perfeita, total, completa e absolutamente arrebatada pelo teu verbo, porque cada vez mais, me conjugas;  porque a cada noite, me embalas; porque a cada manhã, me reinventas; porque a cada morte, me ressuscitas; porque a cada grito - meu - me calas; porque a cada gozo, me amas; porque a cada dia te preciso mais e além; porque é assim que eu deveria te ter; e porque é assim que tudo deveria ser.



 Escrito por Elise às 15h42
[   ] [ envie esta mensagem ]





 



Meu perfil
BRASIL, Sudeste, Mulher, Cinema e vídeo, Livros, Fotografia, Música, Internet.
MSN - elise2004@uol.com.br
Histórico
  01/12/2013 a 31/12/2013
  01/07/2013 a 31/07/2013
  01/02/2013 a 28/02/2013
  01/06/2012 a 30/06/2012
  01/03/2012 a 31/03/2012
  01/09/2011 a 30/09/2011
  01/05/2011 a 31/05/2011
  01/09/2010 a 30/09/2010
  01/05/2010 a 31/05/2010
  01/02/2010 a 28/02/2010
  01/01/2010 a 31/01/2010
  01/11/2009 a 30/11/2009
  01/10/2009 a 31/10/2009
  01/09/2009 a 30/09/2009
  01/07/2009 a 31/07/2009
  01/06/2009 a 30/06/2009
  01/03/2009 a 31/03/2009
  01/01/2009 a 31/01/2009
  01/11/2008 a 30/11/2008
  01/10/2008 a 31/10/2008
  01/08/2008 a 31/08/2008
  01/07/2008 a 31/07/2008
  01/06/2008 a 30/06/2008
  01/03/2008 a 31/03/2008
  01/12/2007 a 31/12/2007
  01/09/2007 a 30/09/2007
  01/06/2007 a 30/06/2007
  01/11/2006 a 30/11/2006
  01/10/2006 a 31/10/2006
  01/08/2006 a 31/08/2006
  01/07/2006 a 31/07/2006
  01/06/2006 a 30/06/2006
  01/04/2006 a 30/04/2006
  01/03/2006 a 31/03/2006
  01/02/2006 a 28/02/2006
  01/01/2006 a 31/01/2006
  01/11/2005 a 30/11/2005
  01/09/2005 a 30/09/2005
  01/08/2005 a 31/08/2005
  01/07/2005 a 31/07/2005
  01/06/2005 a 30/06/2005
  01/05/2005 a 31/05/2005
  01/04/2005 a 30/04/2005
  01/03/2005 a 31/03/2005
  01/02/2005 a 28/02/2005
  01/01/2005 a 31/01/2005
  01/09/2004 a 30/09/2004
  01/08/2004 a 31/08/2004
  01/07/2004 a 31/07/2004
  01/06/2004 a 30/06/2004
  01/05/2004 a 31/05/2004


Outros sites
  A vida por diversos ângulos...
  Angel of Silence - Che Vianna
  Avesso do Avesso - vol. 2
  Blogalizando
  Casa de solteira
  Coisas do Chico
  Converse com a Cherry
  Cores Humanas
  Enquanto isso
  Eu inverso
  Feita em versos
  Identidade de um eu.
  It is all about girls... or men
  Jornal de meia-tigela
  Loba
  Meu nome é Gal!
  Minhas entrelinhas
  Mulher de mau humor
  Nada é por acaso
  No meio das águas
  Nonato - Poesia e jornalismo
  O canto mais escuro e sem sentido
  O fio das palavras
  Palimpnóia
  Poesia & Cia
  Oceanos e desertos
  Ponto Gê
  Poros e Cendais
  Sem pé nem cabeça
  Primeira Viagem
  Sombras e Sonhos
  Sombras e Sonhos 2
  Turn chaos into art
  Verso & prosa encadeados
  Voando pelo céu da boca
Votação
  Dê uma nota para meu blog