As cartas de Elise


         

             Desconhecendo a intimidade

             do abismo dos teus versos

             e da profundeza do teu enlace,

             tateio a espelhada armadura

             que envolve tua face.

             Inebriada,

             tatuo meus anseios no frio metal

             maculando tão tênue proteção,

             que de sonho moldada, torna-se real;

             é agora pedaço do meu coração.

             Embaraçada,

             percebo tua inflamada latência

             derretendo os elmos do desejo,

             revelando olhos que almejo,

             a confundir-me razão e emoção.

             Quedadas,

             eu e tão frágil couraça nos reconhecemos,

             refugiando-nos em ninhos no teu peito,

             que em descompassos rende-se a mim,

             e faz de ti, anjo de couraça quebrada,

             homem perfeito...

 

                                                       Elise

 

 



 Escrito por Elise às 15h03
[   ] [ envie esta mensagem ]




                    (Foto: Pedro Gomes)

                Despedaçado sobre mim,

               o estilhaço da tua presença

           sangrou a chaga seca da saudade

                   e invadindo meu peito

           fez da cicatriz da tua lembrança

    o perene pulsar de um coração umedecido.

                           De amor.

 



 Escrito por Elise às 15h22
[   ] [ envie esta mensagem ]




          (sonhoseprazer.hpg.ig.com.br)

           

            Tua boca

            passeando em meus segredos,

            descobrindo meu desejo represado,

            minha ânsia de quereres,

            de esperas.

            A tua língua

            deslizando em  minha umidade,

            invadindo meu vênus,

            meu universo.

            Minha língua

            esculpindo tua rigidez insolente,

            teu pulsar de expectativas,

            de anseios;

            tuas cobiças.

            A minha boca

            enlaçando teu verbo,

            moldando tua latência,

            tua fome.

            Minha alma

            reinventando tua vontade

            inconfessa

            de mim.

            Teu corpo

            saciando minha sede

            sôfrega

            de ti.

                             Elise

           
            * si puguera participar del teu vaivé

                  i endinsar-me com un vaixel

               pels camins que et solquen la pell *



 Escrito por Elise às 12h37
[   ] [ envie esta mensagem ]




          (Foto: Roberto Ramos)

            Enquanto pincéis e tintas

            insistem em refletir

            em meus olhos

            um reluzente arco-íris,

            fazendo de mim

            prosa colorida;

            enquanto as letras

            brincam comigo,

            ganhando texturas, formas

            e cores,

            feito Minas de palavras preciosas

            adornando telas,

            eu reinvento versos,

            e dou cor

            à minh`alma,

            desprendendo o coração

            do labirinto monocromático...

            E viro aquarela.

            de estrofes.

                      Elise

                      (Para Geórgia, renascida, reinventada e sempre preciosa.)

          



 Escrito por Elise às 00h54
[   ] [ envie esta mensagem ]




          (Foto: Gil Garcia)

          

            Teus olhos atemorizados

            fitando, indecisos,

            meu choro, minha fronte,

            rasgando meus sentidos.

            Tua íris trêmula,

            escorrendo orvalhos,

            desfazendo meu sorriso,

            concretizando, aos poucos,

            meu pesadelo mais temido.

            Teus cílios inquietos,

            cerrando esperanças,

            desfazendo premissas,

            quebrando alianças.

            Teu olhar

            refletindo minha dor,

            lacrimejando

            os resquícios de um amor.

 

                                      Elise



 Escrito por Elise às 22h48
[   ] [ envie esta mensagem ]




       

       

          Que neste instante

          a força do vento que percorre meu corpo

          alimente a labareda intensa em meu peito

          e que o calor provocado

          aqueça meu coração desenganado.

          Que esse vento aflore em mim

          a nítida lembrança dos meus melhores sonhos

          e que eu me desfaça dos silêncios

          que tornaram meus dias mornos e enfadonhos.

          Que eu flutue ao sabor desse vento

          acariciada pelo sopro voraz

          de novos e doces sentimentos,

          e que o tardio reflexo enigmático

          de felicidade,

          (em meu corpo, em minha alma)

          acalente minha saudade.

          Que o vento devolva-me a essência

          em breve.

          Que esse vento me leve...

                                     Elise



 Escrito por Elise às 20h33
[   ] [ envie esta mensagem ]




       Eu sempre gosto de tudo o que essa moça escreve. A forma sensível como ela encara a vida, o amor e a arte em geral, me encanta e surpreende. Mas, surpresa mesmo, fiquei quando soube que o belo poema em homenagem aos poetas, era a mim dedicado, porém homenageando a todos, sem exceção. Obrigada, Geórgia poeta! Que Deus te conserve a inspiração, e te conserve a amiga que é. Love you!

          O poeta

                

    Todo poeta é apaixonado

         A paixão aquece

              a gente

      Todo poeta é criança

          A criança vê

             diferente

      Todo poeta é sofredor

    de um jeito inconseqüente

     Todo poeta é namorador

        dessa vida pungente

                                       (Com um beijo especial para Elise.)  

 

                                 http://pontoge.zip.net       

                                 



 Escrito por Elise às 00h02
[   ] [ envie esta mensagem ]




       

         (Foto: Black Knight-Zé Carlos)

         Crava

         tua digital sagrada

         na minha saudade,

         na minha pele eriçada

         e afugenta

         minha lágrima derramada.

         Macula

         meu corpo suado,

         minha inocência contida,

         meu olhar dissimulado

         e aprisiona

         teu corpo em minha vida.

         Dilacera

         minha dor, por querer-te,

         minha mágoa, por não ter-te,

         meu desejo, meu coração.

         Edifica-me,

         tomando posse da minha razão.

         E invada

         essa tua reconstrução...

 

                                         Elise



 Escrito por Elise às 17h17
[   ] [ envie esta mensagem ]




          (Foto: Bane Abolute)

             Em fragmentos,

             sobrevivo

             emudecida

             pelo pulsar pálido

             deste coração

             que foi seu.

             Já não tenho voz.

             Devoraste

             minha palavra

             meu verbo

             meu verso...

 

                                           Elise



 Escrito por Elise às 11h08
[   ] [ envie esta mensagem ]




     (Foto: Antonio Ramos)

     Eu, como um navio,

     sucumbido em ondas calmas,

     engolindo nessas águas claras

     os teus bordados de espuma.

     Nau à deriva,

     das tuas ressacas encantadas,

     da tua maresia enternecida,

     dessa imensidão que me dá vida...

     Naviforme,

     moldada em teus mares,

     naufragando os meus pesares,

     mergulhando em teus anseios...

     Amando...

     Navegando...

                   Elise



 Escrito por Elise às 20h22
[   ] [ envie esta mensagem ]




    

  O que se diz numa hora dessas, se frase alguma jamais vai expressar o sentimento de quem leu isso numa noite que se fazia fria? Se não há qualquer palavra de dicionário que sequer aproxime-se da minha alegria?

 Regis, hoje, consegui me calar. As mãos abençoadas desse moço, que certamente encanta a todos, decidiu criar vida própria, decidiu me desarmar. E me dar alegria, e fazer minha noite mais aquecida.

 Obrigada, querido amigo! Meu silêncio momentâneo falará por mim..

 

    

 

     Cartas de Elise...

 

     As cartas chegam assim

     sem carteiro, sem campainha
     não há sequer envelopes
     trazem corações invisíveis
     pintados com as cores da magia
     emoções estampadas em cada linha
     falam de sensualidade
     sussurram eternidade
 
     chegam e tocam como carícias
     às vezes, em cascata,
     outras, em avalanches
     provocam suspiros
     induzem sonhos
     traduzem
 
     mas há a marca da mulher na poeta
     que deixa sinais
     reinventa o êxtase
     quebra limites
     como deusa cria...
     dom maior do ser humano
 
     São cartas
     Poesia em gotas
     sonhos e prazeres de Elise.
 
                          http://poesiasecia.zip.net


 Escrito por Elise às 02h36
[   ] [ envie esta mensagem ]




     (Imagem: Vanda Malvig)

      Vestida de sedução,

      encontro-te

      decifrando meus gestos insinuantes,

      que buscam teus olhos intrigantes ;

      e solicitando-me devaneios,

      deslizas por minha pele,

      descobrindo meus anseios,

      sorvendo das minhas fontes,

      ultrapassando meus horizontes,

      provocando-me com paixão.

      E segredando-te meus ensejos,

      aprisiono teu coração.

      Desnudo-me,

      e senhora dos teus desejos,

      visto-me do teu amor...

                         Elise



 Escrito por Elise às 13h20
[   ] [ envie esta mensagem ]




     (Foto: Fernando Amaral)

      Venho das sombras,

      que oscilam nesses espelhos,

      onde me reflito e me possuo.

 

      Venho de um distante deserto,

      de um oásis incerto,

      onde, imaginária, me incluo.

 

      Venho eu, entardecer sensível,

      e sendo inflexível,

      domino e destruo.

 

      Venho, querendo ir,

      venho apenas por vir,

      mas sempre venho.

                           Elise



 Escrito por Elise às 15h50
[   ] [ envie esta mensagem ]




     (Foto:Alexandre T.)

     Há dias ela se sentia assim. Estava plena.

     Um certo entusiasmo, uma inexplicável dor no corpo. Um charme único despertado por essa mistura delicadamente bela que agora brotava dentro dela.

     A ternura nos olhos era latente. A explosão de sentimentos entrelaçados em sua expressão transbordava.

     Curvas mais torneadas e seios que cresciam, junto com um apetite voraz. Tudo parecia ter mais gosto e sabor. E o espelho revelava - se seu melhor amigo.

     A vida tinha lhe sido grata. Deu-lhe mais do que um amor.

     Seu coração havia pulsado com o gozo de seu homem. E seu ventre deu abrigo ao filho de ambos.

                                                   Elise

     *para uma amiga querida.



 Escrito por Elise às 00h32
[   ] [ envie esta mensagem ]




 

                                       Auto-retrato

 

   Que estranha doçura, que estranha chatice

   Há nessa expressão do teu modo de ser

   Menina ou mulher, ninguém te disse

   Apenas minha voz - confessei sem querer.

 

   Quando vens para mim, a brincar ao meu lado

   Fico a olhar tua pálida candura

   Meu coração, então, é pássaro agitado

   A fitar teus outros olhos, com indiferença e ternura.

 

   Que faço contigo, minha outra mulher-menina,

   Se em tua alma há uma brasa ardente

   Que incomoda, grita, dói e alucina

   E te faz esse ser inquieto e diferente...

 

                                                    Elise

 



 Escrito por Elise às 18h00
[   ] [ envie esta mensagem ]




       (Foto:Francisco Lopes)

       Apoderou-se docemente de mim,

       feito sol esquentando manhã de orvalho;

       e foi determinado, assim,

       como peregrino buscando um único atalho.

       Dissipou meus íntimos medos,

       partilhou comigo seus segredos,

       revelou-me suas memórias

       e vitórias,

       enterneceu-se com minha mais pura verdade :

       amá-lo,

       e encheu-me de intensa felicidade,

       ao ofertar-me seu coração,

       quando eu disse que ia habitá-lo.

       Éramos sós

       e passamos a ser dois,

       e tornamo-nos um,

       completando-nos,

       e somente assustou-se quando

       num momento divino, sagrado,

       sentiu o peito úmido... molhado...

       -Não te assustes – eu sussurrei.

       -Essa chuva sou eu,

       contigo

       me encantando,

       sou eu

       em gotas,

       te amando.

                        Elise



 Escrito por Elise às 03h03
[   ] [ envie esta mensagem ]




                   (Foto: Miguel Godinho)

            

               No momento em que tu chegas

               eu me achego,

               desperto, me liberto,

               adivinho tuas taras

               e me dou sem amarras

               sentindo-me inteira,

               e sendo tua companheira

               me preencho.

               É teu corpo entrando em cada vazio da minha vida...

                                 Elise



 Escrito por Elise às 17h59
[   ] [ envie esta mensagem ]




  (Foto: Ricardo Faria)

 

 Era verão, madrugada,

 dessas com ares de imensidão,

 densa, parada.

 Tudo me remetia à saudade,

 à  paixão, à liberdade.

 E eu, sem pressa, nem hora,

 sem já, nem agora,

 desperta,

 dirigia por uma estrada deserta..

 Aromas noturnos lá fora,

 luz de prata a guiar meus caminhos,

 a lembrar-me nossos carinhos,

 a insistir-me tua presença,

 sugerindo no escuro,

 um passado, um futuro..

 E num momento,

 sob o firmamento,

 quebrei meus muros,

 abri a janela,

 soltei meus cabelos,

 apaguei meu cigarro,

 e assim meio confusa,

 parei o carro e tirei minha blusa.

 Bailei conforme a cadência

 da canção que insistia,

 e portei-me como deveria.

 Levantei minha saia,

 desfiz-me da calcinha,

 afastei minhas pernas e meus medos,

 acendi minha libido,

 e brinquei com meus desejos,

 imaginando tuas bobagens no ouvido.

 Fiz-me úmida.

 Fiz-me fêmea.

 Tua lembrança intumesceu-me.

 E sem cuidado ou pudor,

 acariciei-me o sexo, a boca,

 invadi-me do teu amor,

 e toquei-me como louca.

 Divaguei em teu cheiro,

 intimando-me com o meu prazer.

 Amiguei-me com meus dedos,

 e gritei todos os meus segredos,

 derramando meu líquido e meu tesão,

 perfumando-me a alma,

 abrindo-me o coração.

 Deitei o banco do carro,

 e amei-me ali...

 Agora acendo outro cigarro,

 e o que me resta,

 é tudo o que senti:

 seu sussurro imaginado,

 minha vida em festa,

 e meu orgasmo saciado,

 que entrego a ti.

                 Elise



 Escrito por Elise às 20h52
[   ] [ envie esta mensagem ]





 



Meu perfil
BRASIL, Sudeste, Mulher, Cinema e vídeo, Livros, Fotografia, Música, Internet.
MSN - elise2004@uol.com.br
Histórico
  01/12/2013 a 31/12/2013
  01/07/2013 a 31/07/2013
  01/02/2013 a 28/02/2013
  01/06/2012 a 30/06/2012
  01/03/2012 a 31/03/2012
  01/09/2011 a 30/09/2011
  01/05/2011 a 31/05/2011
  01/09/2010 a 30/09/2010
  01/05/2010 a 31/05/2010
  01/02/2010 a 28/02/2010
  01/01/2010 a 31/01/2010
  01/11/2009 a 30/11/2009
  01/10/2009 a 31/10/2009
  01/09/2009 a 30/09/2009
  01/07/2009 a 31/07/2009
  01/06/2009 a 30/06/2009
  01/03/2009 a 31/03/2009
  01/01/2009 a 31/01/2009
  01/11/2008 a 30/11/2008
  01/10/2008 a 31/10/2008
  01/08/2008 a 31/08/2008
  01/07/2008 a 31/07/2008
  01/06/2008 a 30/06/2008
  01/03/2008 a 31/03/2008
  01/12/2007 a 31/12/2007
  01/09/2007 a 30/09/2007
  01/06/2007 a 30/06/2007
  01/11/2006 a 30/11/2006
  01/10/2006 a 31/10/2006
  01/08/2006 a 31/08/2006
  01/07/2006 a 31/07/2006
  01/06/2006 a 30/06/2006
  01/04/2006 a 30/04/2006
  01/03/2006 a 31/03/2006
  01/02/2006 a 28/02/2006
  01/01/2006 a 31/01/2006
  01/11/2005 a 30/11/2005
  01/09/2005 a 30/09/2005
  01/08/2005 a 31/08/2005
  01/07/2005 a 31/07/2005
  01/06/2005 a 30/06/2005
  01/05/2005 a 31/05/2005
  01/04/2005 a 30/04/2005
  01/03/2005 a 31/03/2005
  01/02/2005 a 28/02/2005
  01/01/2005 a 31/01/2005
  01/09/2004 a 30/09/2004
  01/08/2004 a 31/08/2004
  01/07/2004 a 31/07/2004
  01/06/2004 a 30/06/2004
  01/05/2004 a 31/05/2004


Outros sites
  A vida por diversos ângulos...
  Angel of Silence - Che Vianna
  Avesso do Avesso - vol. 2
  Blogalizando
  Casa de solteira
  Coisas do Chico
  Converse com a Cherry
  Cores Humanas
  Enquanto isso
  Eu inverso
  Feita em versos
  Identidade de um eu.
  It is all about girls... or men
  Jornal de meia-tigela
  Loba
  Meu nome é Gal!
  Minhas entrelinhas
  Mulher de mau humor
  Nada é por acaso
  No meio das águas
  Nonato - Poesia e jornalismo
  O canto mais escuro e sem sentido
  O fio das palavras
  Palimpnóia
  Poesia & Cia
  Oceanos e desertos
  Ponto Gê
  Poros e Cendais
  Sem pé nem cabeça
  Primeira Viagem
  Sombras e Sonhos
  Sombras e Sonhos 2
  Turn chaos into art
  Verso & prosa encadeados
  Voando pelo céu da boca
Votação
  Dê uma nota para meu blog